Mandela, mais um mito criado pela elite mundialista!!!

Mais um líder usado para destruir aquilo que demorou séculos a construir, mais um líder ao qual deram uma imagem impoluta , mais um que foi santificado quando na verdade temos um gigante com pés de barro, enfim, mais uma figura como tantas outras no século XX, figuras desde terroristas sanguinários a ditadores genocidas tudo serviu na prática para servir a propaganda ou os caprichos dos senhores do mundo, esta é a realidade por detrás da cortina, esta é a verdade que nos tentam ocultar!!!

“Nascido a 18 de Julho de 1918 no antigo Transkei e falecido a 5 de Dezembro de 2013, Nelson Mandela não corresponde à imagem piedosa transmitida mundialmente nestes dias pelo politicamente correcto. Para lá das emoções ternas e das homenagens hipócritas, é importante não perder de vista o seguinte:

Resultado de imagem para mandela maçom

Aristocrata xhosa da linha real dos Thembu, Nelson Mandela não era um «pobre negro oprimido». Com uma educação europeia proporcionada por missionários metodistas, começou os seus estudos superiores em Fort Hare, universidade destinada aos filhos das elites negras, completando-os em Witwatersrand, no Transvaal, o coração do que era na altura o «país boer». Instalou-se de seguida como advogado em Joanesburgo.

Não era bem o gentil reformista que a imprensa lamechas gosta de tratar como «arcanjo da paz», lutando pelos direitos do homem como um novo Gandhi ou um novo Martin Luther King. Com efeito, Nelson Mandela foi acima de tudo um revolucionário, um combatente, um militante que pôs «a sua pele antes das suas ideias», não hesitando em derramar o sangue de outros e a arriscar a sua própria pele.
Foi um dos fundadores do Umkonto We Sizwe, «a ponta de lança da nação», braço armado do ANC, que co-dirigiu em conjunto com o comunista Joe Slovo, planeando e coordenando mais de 200 atentados e sabotagens pelos quais foi condenado a prisão perpétua.

 Não foi o homem que permitiu uma transição pacífica de poder entre a «minoria branca» e a «maioria negra», evitando um banho de sangue na África do Sul. A verdade é que foi levado ao poder pelo presidente De Klerk, que aplicou à letra o plano de resolução da questão da África austral definido por Washington. Pelo caminho Mandela traiu todas as promessas feitas ao seu povo, tais como:
– Desintegrar o exército sul-africano, com o qual o ANC não era capaz de lidar;
– Impedir as criação de um Estado multi-racial descentralizado, alternativa federal ao jacobinismo marxista e dogmático do ANC;
– Travar as negociações secretas mantidas entre Thabo Mbeki e os generais sul-africanos, negociações que envolviam o reconhecimento, pelo ANC, de um Volkstaat em troca do abandono da opção militar pelo general Viljoen.

Nelson Mandela permitiu o esgotamento das fontes sul-africanas de leite e mel e o fracasso económico do país é hoje total. Segundo o Relatório Económico Africano para o ano 2013, redigido pela Comissão Económica da ONU para África e pela União Africana para o período 2008-2012, a África do Sul é classificada como um dos cinco países «com pior desempenho» do continente, em função do crescimento médio anual, apenas à frente das Comores, Madagáscar, Sudão e Suazilândia.
Segundo dados oficiais, o desemprego atingiu 25,6% da população activa no segundo trimestre de 2013, embora na realidade ultrapasse os 40%. Os rendimentos do segmento mais pobre da população negra, que representa mais de 40% da população sul-africana, é actualmente 50% inferior ao valor verificado no regime branco anterior a 1994. Em 2013, quase 17 milhões de negros numa população de 51 milhões de habitantes só garantiram a sua subsistência graças a ajudas sociais, denominadas Social Grant.

Nelson Mandela falhou também politicamente e o ANC acumula hoje graves tensões entre etnias Xhosa e Zulu, entre doutrinários pós-marxistas e tecnocratas capitalistas, entre africanistas e apoiantes de uma linha «multi-racial». Da mesma forma, um conflito de gerações opõe a velha guarda composta por «Black Englishmen» e os jovens lobos que defendem uma «libertação racial» e o confisco dos agricultores brancos, tal como foi levado a cabo no Zimbabwe.

Nelson Mandela não pacificou a África do Sul, país que actualmente se encontra entregue à lei da selva, com uma média de 43 homicídios diários.

Nelson Mandela não facilitou as relações inter-raciais. Entre 1970 e 1994, ou seja 24 anos, enquanto o ANC estava «em guerra» contra o «governo branco», foram assassinados cerca de 60 agricultores brancos. Desde Abril de 1994, data da chegada ao poder de Nelson Mandela, mais de 2000 agricultores brancos foram massacrados perante a total indiferença da imprensa europeia.

Por fim, o mito da «nação arco-íris» estilhaçou-se perante as realidades regionais e étnico-raciais e o país está hoje mais dividido e fragmentado do que nunca, fenómeno que é visível em cada eleição, quando o voto é claramente «racial»: negros votam no ANC, brancos e mestiços votam na Aliança Democrática.
Em menos de 20 anos, Nelson Mandela, presidente da República entre 10 de Maio de 1994 e 14 de Junho de 1999, e os seus sucessores, Thabo Mbeki (1999-2008) e Jacob Zumba (desde 2009), transformaram um país que foi em tempos uma excrescência europeia na extremidade austral do continente africano num Estado de «terceiro mundo» à deriva num oceano de carências, corrupção, miséria social e violência, realidade em parte ocultada por alguns sectores de grande desempenho, mas cada vez mais reduzidos, na maior parte dirigidos por brancos.
Poderia ser de outra forma quando a ideologia oficial é baseada na rejeição da realidade, no mito da «nação arco-íris»? Esse «chamariz» destinado à imbecilidade ocidental impede ver que a África do Sul não constitui uma nação, mas antes um mosaico de povos reunidos pelo colonizador britânico, povos cujas referências culturais são estrangeiras, e em alguns casos irreconciliáveis, para uns e outros.
O culto planetário e quase religioso que foi prestado a Nelson Mandela, o hino ultrajante cantado por políticos oportunistas e jornalistas incultos ou formatados não vai mudar esta realidade.”

Bernard Lugan

Artigos recentes

Comentários recentes

Arquivo

Categorias

Meta

Alexandre Sarmento Written by:

One Comment

  1. Que a África do Sul é uma causa perdida, já se sabe há muito tempo. Existe é um estado generalizado de negação nos afrikaners, que os impede de perceberem que aquilo acabou mesmo e acabou em larga medida devido à sua arrogância e falta de visão estratégica. Enquanto os portugueses se bateram em Angola e Moçambique contra o terrorismo patrocinado pela União Soviética e os Estados Unidos, os sul-africanos mantiveram-se sempre muito caladinhos, caladinhos demais e em lugar de se colocarem do nosso lado a apoiar-nos energéticamente, comportaram-se como uns autênticos cobardes e idiotas úteis. Isto porque os sul-africanos julgavam que se não apoiassem abertamente Portugal na defesa dos seus territórios ultramarinos em África, poderiam assim aprofundar amizades e alianças com outras nações africanas e garantir não só o apoio destas, como também o apoio da diplomacia estado-unidense que nos seus cálculos, deixaria de os importunar por causa do Apartheid.

    Enganaram-se. Não apoiar Portugal como deviam de ter apoiado, foi um valente tiro nos pés para os afrikaners. Desmantelado o Império Português em África, não tardou para que se concretizasse aquilo que muitos já previam, ou seja, a derrocada definitiva do domínio branco em África. Diga-se de passagem que esta derrocada se deveu principalmente a um longo e determinado processo de sabotagem interna, que contou desde o início com o apoio da alta finança internacional e internacionalista e mais umas máfias obscuras que não cabe agora aqui referir, mas que seguramente nunca foram, nem são, amigas dos autóctones africanos.

    À “descolonização” abandalhada feita pelos portugueses em África, seguiu-se a derrocada da Rodésia de Ian Smith, que acabou por implodir definitivamente em 1979, debaixo de fogo vindo de todos os lados e muita canalhice por parte da comunidade internacional. O que se seguiu à prospera e bela Rodésia, foi esse grande “sucesso” africano chamado Zimbábue, liderado pelo “querido líder” Robert Mugabe.

    Com a queda do Império Português e o colapso da Rodésia, os sul-africanos ficaram com as suas fronteiras totalmente desprotegidas e transformaram-se num País extremamente vulnerável ao que se iria seguir. A África do Sul e os afrikaners foram deixados sozinhos contra o Mundo e foram-no, muito por arrogância própria e uma certa mania de superioridade – eles achavam-se os melhores brancos em África, superiores a portugueses, ingleses e alemães. Consideravam-se a “nata da nata” do homem branco em África. Pois bem, hoje o resultado de todas estas “natas” e “superioridades”, está bem à vista de todos. Os afrikaners que actualmente se lamentam do seu destino, deviam era de antes perguntar a si mesmos se a África do Sul era realmente uma causa perdida desde o início, ou se foi antes por mera incúria própria que esta foi transformada numa causa perdida?…

    Mais aqui:

    http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/03/sera-que-africa-do-sul-era-realmente.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *