Triste realidade, há que refundar esta nação outrora valorosa!!!

Imagem relacionada

“Ainda há pouco, há poucochinho, nós, portugueses, éramos um império dilatado a todo o mundo, e já hoje por hoje não somos senão uma courela exiguamente entaipada na Península, um grotesco retalho de Europa de lilli­putianas proporções, um pobre lameiro irrelevante, um rematadito bairro‑da‑lata… Encolhemos. En­colheram‑nos! E da nossa vocação nacional‑universalista não há mais que falar. Ou ainda há, talvez, mas só naquela mesma medida em que certa personagem de Agustina colocava a questão, quando “dizia que a África haveria de conter o fantasma do português em tudo o que o subs­tituísse”.
Àparte isso, a única alternativa em aberto, que nos sobra por agora, con­sistirá em nos glosarmos e em nos repetirmos historicamente passo por passo, fundando‑nos de novo como Nação vocacionada e soberana, e erigindo‑nos novamente como Povo às culminâncias do que nos está cometido empreender ainda.
Trata‑se de principiarmos outra vez a ser coisa que se veja, e de recomeçar tudo, em segunda edição. Se neces­sário, a partir dos Hermínios…
Responder à afundação da na­cionalidade mediante uma segunda fundação da mesma; e, com alguns tantos fundadores, tratar de replicar à desalmada horda dos afundadores!
Recapitulando e concluindo. De agora em diante, há que rapar virilmen­te da caneta e de uma folha em branco, e começar a escrever tudo de novo, tendo sempre bem presente que a nos­sa acção há‑de ser ditada por desígnios eminentemente fundacionais, sob pena de nada valer de nada.”

Rodrigo Emílio

 

 

Artigos recentes

Comentários recentes

Arquivo

Categorias

Meta

Alexandre Sarmento Written by:

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *