Um povo desunido e um país em colapso!!!

Quando as instituições se furtam ao seu papel de protecção da sociedade civil, sou de opinião que deve sair do seio do próprio povo a organização de meios que consigam colmatar essas mesmas falhas…
Estou a referir-me em concreto ao assunto dos incêndios, porque não as próprias populações a ser esclarecidas sobre o combate aos mesmos e ensinadas a usar os meios que têm à sua disposição, neste caso alfaias e máquinas agrícolas…

Resultado de imagem para renascer das cinzas
Eu ainda sou do tempo que ninguém ficava à espera da entrada em acção das corporações de bombeiros, nesse tempo alguém dava o alerta e mobilizava a quase totalidade da população, isso diz-me que tínhamos na realidade uma sociedade funcional, uma sociedade solidária.
Nos dias de hoje, e como presenciei há bem pouco tempo num dos incêndios em que andei a ajudar os bombeiros, vi gente, ou melhor imbecis que nem nas suas próprias mangueiras de jardim pegaram quando viram os seus espaços a ser devorados pelas chamas, somos o quê hoje afinal, serão os bombeiros super-homens, será que só os bombeiros têm a obrigação de combater os fogos?
Sabemos perfeitamente que em muitos casos o vulgar cidadão se furtou às suas responsabilidades na limpeza dos seus espaços, então, com que moral vem esta gente assacar responsabilidades a gente que tantas vezes paga com a própria vida a protecção daquilo que deveria ser protegido por todos?

Precisamos de fazer de novo desta, uma sociedade funcional, uma sociedade unida, e não só unida quando de eventos e fenómenos desportivos, precisamos de uma verdadeira sociedade a tempo inteiro e não uma sociedade intermitente ao sabor da maré!!!

Este é um pequeno recado/aviso que deixo aqui para reflexão de todos, pois uma verdadeira sociedade tem que funcionar como um todo, a união faz a força e de poucos poderemos fazer muitos e fazer muito, fazer toda a diferença, fazer deste mundo um mundo melhor…

Alexandre Sarmento

Artigos recentes

Comentários recentes

Arquivo

Categorias

Meta

Alexandre Sarmento Written by:

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *