Ao meu pai…

Meu pai que tão cedo partiste

muito cedo, cedo demais, sinto a tua falta

ainda hoje, dez anos depois sinto a tua ausência, dói-me a alma

o meu homem do leme, o que me ensinou a viver

o que fez de mim aquilo que sou hoje

quem me fez um homem recto e lutador,

um ser humano de verdade

defeitos terei alguns, virtudes algumas também

mas não te esqueço, nunca te esquecerei

és ainda hoje o meu farol, o meu guia

fazes-me falta, tanta falta

a saudade das nossas conversas

dos nossos belos momentos depois das refeições

da nossa cumplicidade, dos teus sábios ensinamentos

da partilha da tua experiência, dos teus bons e maus momentos

do teu amor meu pai

sinto a tua falta, nem imaginas quanto, o quanto me dói a tua ausência

até sempre, até um dia meu querido pai

obrigado por existires, nunca te esquecerei, guardo-te em mim.

 

Alexandre Sarmento

Artigos recentes

Comentários recentes

Arquivo

Categorias

Meta

Alexandre Sarmento Written by:

One Comment

  1. Joana Perestrello
    Março 29, 2017
    Reply

    Poderei dizer o mesmo. Meu querido Pai, meu companheiro de mariscadas, de cervejas, de caça, de armas, tantas coisas eu partilhei com ele, tantas coisas eu aprendi… . Sim, será sempre o meu herói e a saudade será sempre eterna. Um dia vamos estar novamente juntos. Sei muito bem. Deus levou o meu pilar, mas eu irei reencontrá-lo. E vamos rir e beber até mais não…só os dois (vinte anos passaram na Terra).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *