Os Abutres, os parasitas da nossa civilização…

Abram os olhos, deixem-se esquerdas e direitas, reparem bem qual a verdadeira instituíção que nos governa, os parlamentos nacionais neste mundo não passam de meros palcos onde se travam batalhas que não passam de meras fraudes para o povo se entreter.
Enquanto os povos se entretêm em tricas políticas, os verdadeiros governantes vão levando avante as suas políticas, para quando um olhar critico e objectivo em relação aos verdadeiros assuntos ligados ao acto de governação?, quando deixaremos de acreditar em tudo aquilo que nos contam?,quando começaremos a pensar pela nossa própria cabeça?
Aqui fica a questão, em vez de andarmos sempre a lamentar-nos em relação a políticas que não têm passado de meras fraudes, embustes, porque não ocuparmos um papel activo na sociedade, o nosso papel, a nossa obrigação.

Resultado de imagem para economic crisis

«O modelo bélico clássico foi substituído pela crise económica. Os grupos de poder e as nações mais poderosas declaram-nos uma guerra financeira, intervêm e impõem as leis que, segundo eles, devem legislar o país intervencionado para recuperar do problema que eles causaram.

Em 2010, em plena crise, criou-se na Europa uma instituição supranacional e não democrática, a troika (formada pelo BCE, o FMI e a Comissão Europeia), que interveio na soberania dos países. Em troca da oferta de ajuda económica obrigou-os a ajustes cruéis: subida de impostos, cortes nos gastos da educação, da saúde, das prestações sociais, do desemprego e das pensões, redução do número de funcionários públicos, redução ou estagnação dos salários… Estas leis afectaram os aspectos fundamentais da vida das pessoas. E ainda que não fosse ético, sim, era legal. Antes da crise criaram as estruturas legislativas e judiciais com as quais obteriam o máximo benefício desta catástrofe. Só depois de aprovado o Tratado de Lisboa, no ano de 2007 (a Constituição Europeia), é que principiou a crise, no ano de 2008. É, no mínimo, suspeito.

(…) Para os senhores do poder, a guerra é um instrumento de organização social e, neste processo, a crise é uma intervenção criada com vários fins. É uma guerra económica para estabelecer uma escravidão humana mais sofisticada, concordante com o seu conceito de sociedade global.

Atacam-nos por todos os flancos socioeconómicos. Primeiro, “oferecem-nos” o dinheiro, ao abrir de modo desafogado os créditos. Depois mudam as condições das hipotecas subscritas, com a subida dos juros, ou seja, do preço do dinheiro emprestado. A prestação mensal de uma hipoteca média passou de 400 para 1200 euros mensais. Em paralelo, de forma brusca, restringiram o crédito, produzindo a paralisação ou a estagnação da actividade económica. A seguir chegou o efeito devastador do desemprego.

Resultado de imagem para federal reserve fraud

(…) O segundo passo deu-se quando os bancos privados receberam uma série de ajudas públicas para compensar o incumprimento das hipotecas e o impacto da crise imobiliária. Converteram-se em receptores das ajudas e nos donos de todas as casas hipotecadas não pagas e embargadas. Os bancos privados ficaram com as ajudas públicas e com as casas de todas essas pessoas que, ao verem-se sem trabalho, as perderam, continuando todavia devedoras das entidades financeiras porque a garantia prestada não foi aprovada.

Na fase das execuções por incumprimento os bancos avaliaram os imóveis a preço de crise, como uma enorme depreciação do valor pelo qual foram comprados. Assim, no momento de execução das hipotecas, a perda do imóvel não cobre, na maioria dos casos, a totalidade da dívida contraída com a entidade financeira. O resultado é que a pessoa embargada não só perde a habitação como continua a dever dinheiro ao banco. O negócio da banca privada foi perfeito. Ficou com:

– As ajudas públicas
– Os imóveis
– E continuam a ter uma quantidade imensa de pessoas presas por uma dívida, escravas dessa dívida.

(…) Por seu lado, o BCE regula os tipos de juros e injecta dinheiro nos bancos para o seu resgate, o seu saneamento. Em síntese, e tomando como modelo o ocorrido em Espanha, a banca privada, animada pela bolha imobiliária, começou por socializar os empréstimos: dinheiro fácil e rápido para toda a gente. A seguir provocou uma subida gradual dos tipos de juro. Depois, ou ao mesmo tempo, reduziu drástica e repentinamente o empréstimo e a bolha imobiliária rebentou. O resultado foi o aumento dramático do desemprego e das execuções hipotecárias maciças perante a falta de pagamento e a altíssima morosidade.

Resultado de imagem para central european bank

Por fim veio o resgate bancário por parte do Estado, com o dinheiro dos contribuintes. Através do BCE, o Governo de Espanha recebeu uma série de ajudas que foram parar à banca privada (às entidades bem e mal geridas) com o argumento, ainda não demonstrado, de que a queda de certos bancos provocaria um dano maior. A consequência última é a depressão económica.

(…) O que se fez foi seguir as directrizes do FMI, do BCE e da Comissão Europeia: subir impostos, fazer reformas laborais, das pensões, etc. As ajudas não chegaram à economia doméstica nem às pequenas e médias empresas. Há uma restrição absoluta. A juntar a uma das pressões fiscais mais elevadas da Europa, acompanhada por uma taxa de desemprego igualmente alta. Estamos numa situação de colapso e de depressão económica desorbitada e dramática.

(…) A Espanha está à venda. Como o resto dos países europeus a que o império Bilderberg declarou guerra económica, que baptizei com o nome de Eurosul: Grécia, Itália, Portugal, para além da Irlanda e de Chipre, com o escândalo do ataque que sofreram os aforradores em Março de 2013. O presidente Nicos Anastasiades foi obrigado a comunicar ao país que aceitara “a opção menos dolorosa”, ou seja, o resgate, e que estava disposto a assumir o preço político” da decisão, ou seja, que os cipriotas não o reelejam nas próximas eleições. O Eurogrupo concedia-lhe um resgate de 10.000 milhões de euros em troca dos clientes dos bancos pagarem um imposto. Segundo Anastasiades, o dinheiro deste imposto seria recuperado com acções dos bancos resgatados, cujo valor está garantido com o retorno que o Estado cipriota espera obter da exploração de umas jazidas de gás recentemente descobertas.

Aí estava outra armadilha: a guerra pelos recursos. Endividam os países e apropriam-se de parte da sua soberania, do seu dinheiro e das suas riquezas naturais – no caso do Chipre, do gás – ao decidirem por eles. Outra jogada de mestre dos desenhadores do sistema.

Na Grécia, dois políticos alemães instaram-na a vender as ilhas para saldar a dívida. Já nem dissimulam. O descaramento não tem limites. A Grécia possui edifícios, empresas, e ilhas desabitadas, que poderiam ser utilizadas para o pagamento das dívidas, declararam o deputado liberal Frank Schäffler e o democrata-cristão Josef Schlarmann ao diário alemão Bild, segundo o jornal Abc. Ainda de acordo com o diário espanhol, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros grego, Dimitris Droutsas, respondeu numa entrevista à televisão ARD TV que, no momento, não lhe parecia uma sugestão adequada.

Resultado de imagem para ilhas gregas

É nesta conjuntura que os bancos centrais, como na Europa o BCE, oferecem dinheiro e ajuda (os famosos resgates) em troca da cessão, ou da compra, da soberania nacional. E daí a referida frase de Draghi, o presidente do BCE: “Os Estados devem compreender que há tempo que perderam a sua soberania”.

Quando é que a perdemos? Quando, sem informarem correctamente os cidadãos, os responsáveis europeus, muitos deles membros de Bilderberg, como o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, aprovaram o Tratado de Lisboa, ou o Tratado de Maastricht, onde se incluía uma drástica cedência de soberania. Tudo se desenhou sem contar com o povo, nas costas dele. Ingenuamente ou através de enganos, o povo confiou numa série de políticos que representam os interesses do poder económico em vez daqueles que os elegeram nas urnas. A democracia é uma grande mentira. Não há democracia.

O resgate é a marca dos poderosos na Europa. Na realidade é uma perda de soberania e o fracasso da União Europeia como a venderam e continuam a vender os seus criadores: um projecto de paz, democracia, liberdade e direitos humanos, nas palavras de uns e de outros. Que mentira mais refinada, que sofisticação, que marketing mais esplêndido. Os cidadãos perguntam-nos: para quê tanta União Europeia e liberalização de mercados se, no fim, somos mais desiguais que antes, mais pobres que antes, mais escravos? Porque, como nos níveis da pirâmide, a União Europeia não está nas mãos do povo europeu, mas do império Bilderberg».

Cristina Martín Jiménez («O Clube Secreto dos Poderosos. Os Planos Ocultos de Bilderberg»).

 

Alexandre Sarmento

Artigos recentes

Comentários recentes

Arquivo

Categorias

Meta

Alexandre Sarmento Written by:

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *